Tudo que você precisa saber sobre treinamento de liderança

felicidade-profissional
Felicidade profissional: o que falta para você se sentir realizado(a)?
7 de março de 2018
O que fazer para enfrentar a dificuldade de amar e ser amada?
21 de março de 2018

Praticamente qualquer empresa, hoje, recorre a alguma forma de treinamento de liderança. É uma maneira segura de produzir crescimento e melhorar o ambiente corporativo. Uma boa liderança pode ser o diferencial que o seu negócio precisa para deslanchar! 

Existem inúmeras formas de fazer essas capacitações, a depender da sua disponibilidade de recursos e necessidades empresariais. Neste texto vamos destrinchar alguns aspectos importantes do planejamento e execução desse tipo de trabalho!

1. Por que fazer treinamento de liderança?

Líderes são parte fundamental em qualquer organização. Tenha sempre em mente o benefício global que será proporcionado à sua instituição ao desenvolver essas capacitações. Não se trata da melhoria de apenas um funcionário, mas do crescimento da empresa como um todo.

Outro fator que justifica a necessidade de fazer treinamentos regularmente com os seus gestores são as constantes atualizações e avanços do campo organizacional. Para se destacar em um cenário cada vez mais competitivo é necessário manter o time de trabalho afinado com as exigências do mercado.

Há também a economia gerada por recorrer a essa tática. Nem sempre a companhia tem recursos disponíveis para oferecer treinamento a todos os funcionários. Por isso, o treinamento de lideranças é uma maneira prática e menos custosa de fortalecer o seu empreendimento.

O desenvolvimento de um bom gestor leva ao crescimento orgânico da sua equipe. O importante não é só o aumento do desempenho profissional dos seus contratados, mas a preocupação com os aspectos afetivos e interpessoais desse time.

Um treinamento de qualidade foca não só as habilidades administrativas do gestor, mas também a sua dimensão emocional e individual.

Questões como o enfrentamento dos medos, o gerenciamento de conflitos interpessoais e o ganho de confiança são igualmente importantes. Sabe-se que não podemos separar esses âmbitos — os aspectos profissional e pessoal se complementam na criação de um bom líder.

A maior parte das empresas usa esse recurso como uma forma eficaz de fortalecimento de seu negócio. Sabe-se que qualquer organização que conta com líderes fracos acaba por se desmanchar ou se desorientar perto de outras com guias mais sólidos.

2. Quais são os tipos de treinamento para liderança?

Usamos aqui uma distinção dos treinamentos em três áreas de foco. Ainda assim, não se trata de uma separação excludente ou limitadora. É possível encontrar elementos de um dos tipos em outro ou até mesmo mesclar as modalidades entre si.

Foco na gestão de pessoas

Essa é uma das funções mais importantes da gestão, pois é necessária em qualquer tipo de empreendimento.

Um líder de qualidade é mais do que alguém que ordena as atividades a serem feitas, também é uma pessoa que transmite confiança e que ajuda os seus subordinados de diferentes maneiras.

Seja qual for a posição do líder em questão, de gerente de vendas ao CEO da empresa, esse profissional sempre deve lidar com outras pessoas e, de alguma maneira, gerenciar os conflitos nos quais se envolvem.

Construir um treinamento com esse foco é a sua chance de criar um líder que consiga acompanhar a evolução e se preocupar efetivamente com o bem-estar das pessoas que comanda. 

Além dos limites do ambiente corporativo, o gestor deve se preocupar com seus funcionários em todos os níveis. Ele deve saber se as pessoas que estão diretamente subordinadas a ele estão se sentindo bem em ocupar as posições que ocupam.

Além disso, deve conseguir minimamente averiguar como andam as emoções e até mesmo as questões familiares dessas pessoas.

Da mesma forma, é importante que seja construído com esse líder também a capacidade de cuidar desses sujeitos sem se envolver tão diretamente em suas histórias.

Isso não quer dizer que relações de afeto e de amizade não possam ser desenvolvidas no ambiente de trabalho. Entretanto, é importante que um limite seja estabelecido nesse sentido. Um tipo de desprendimento e afastamento também é necessário para que o trabalho gerencial possa ser executado de maneira eficiente e justa com todos.

Foco em comunicação

Uma das habilidades mais importantes de um grande líder é a sua capacidade de se comunicar.

Muitas vezes, o líder é a cara e o porta-voz de uma instituição. Sejam essas comunicações internas com os funcionários da empresa ou externas, com os clientes e o público-alvo da companhia, elas devem ser feitas da melhor forma possível. Por isso, se justifica que o treinamento possa ser desenvolvido inteiramente em torno desse aspecto.

Isso não significa que todo líder deva ser um excelente orador. É comum que líderes famosos de grandes multinacionais nem sejam mestres da oratória. Entretanto, é valioso que sejam trabalhadas as capacidades desse líder para minimamente conseguir se expressar bem, a fim de que não haja contradições em seu discurso.

Mais do que nunca, existem registros perenes de todo tipo de comunicação que estabelecemos, sejam eles por meio de e-mails, redes sociais ou discursos públicos. Por isso, é fundamental que se tenha muita atenção com o que está sendo dito e veiculado a respeito da companhia em questão.

Além de refletir sobre a maneira como o gestor se comunica com os outros funcionários e com os clientes, deve ser desenvolvida nele a capacidade de analisar como estão essas relações entre esses indivíduos. É valioso que ele saiba diagnosticar os problemas de comunicação entre os membros da equipe e, a partir dessa visão, propor soluções dialógicas para esses entraves.  

Outro ponto valioso para ser trabalhado em um treinamento desse tema é a capacidade de escuta. Essa é uma habilidade aparentemente simples, mas difícil de ser realmente desenvolvida.

Saber escutar envolve conseguir suportar críticas e opiniões desagradáveis a respeito de seu desempenho, um aspecto que pode ser difícil de ser trabalhado mesmo nos melhores líderes.  

Foco em delegar tarefas

Esse é um modelo de capacitação voltado para uma perspectiva mais administrativa do papel do gestor.  

No sentido mais estrito do cargo, essa seria a principal função de um líder. Pode-se dizer que é nesse ponto que os rumos imediatos de uma empresa serão definidos. Por isso é necessário que um líder esteja mais do que preparado para executar essa função.

Mais do que distribuir as atividades entre os funcionários, é importante que o gestor acompanhe e avalie de perto o desempenho de cada um em sua posição. Se determinado funcionário não está executando tão bem determinada tarefa, cabe a ele rapidamente remanejar a pessoa e alocá-la em outra função mais proveitosa para a companhia. 

O ato de delegar tarefas também envolve que o gestor desenvolva uma capacidade analítica de alto nível. Isso quer dizer que ele deverá saber diagnosticar o tempo inteiro quais são as necessidades da companhia no momento presente e onde deverão ser alocados os recursos humanos em cada momento.

3. Pilares de liderança: por onde começar?

Existem três pilares valiosos na produção de uma capacitação de qualidade. Lembre-se sempre de equilibrá-los ao construir o treinamento e pense nisso ao escolher os materiais a serem usados. São eles:

Fundamentos teóricos

Esse é o alicerce de qualquer treinamento profissional. Todo tipo de construção de conhecimento precisa definir quais são as bases teóricas que o fundamentam.

Existem muitas visões diferentes a respeito da gestão empresarial, algumas até mesmo contraditórias ou conflitantes. Por isso, não é interessante que seja feita uma “salada de frutas”.

É óbvio que você pode e deve buscar elementos de distintos lugares para compor o seu corpo teórico. Entretanto, cuidado ao fazer essa seleção. Não saia coletando materiais a esmo e indistintamente.

Quando for montar um programa desse tipo, saiba escolher as referências que tenham coerência umas com as outras e que se complementam entre si.

A internet existe hoje como uma ótima maneira de entrar em contato e de divulgar ideias importantes sobre diversos campos do conhecimento. Há uma crescente produção de conteúdo disponível, cada vez mais de fácil acesso. Se, por um lado, é vantajoso, por outro acaba dificultando o discernimento sobre quais são os materiais realmente relevantes.

Boa parte do que está disponível on-line trata apenas superficialmente dos assuntos em questão, e muitas das ideias são repetidas à exaustão, sem acrescentar nada que seja realmente relevante.

Nesse ponto, se você é o responsável por montar todo o programa relacionado, não há como escapar de uma boa dose de estudo. Pode ser útil recorrer a livros impressos (ou até mesmo PDFs disponíveis on-line).  

Metodologia

Esse é um ponto importante que pode ser abordado por duas vias. Por um lado, é o campo que trata do método escolhido pela qual o treinamento será executado. Se o fundamento teórico é o conteúdo do treinamento, a metodologia representa a forma como esse material será transmitido.

Faça uma leitura do perfil das pessoas que receberão o treinamento para definir esse formato. Procure sempre introduzir maneiras dinâmicas de transmissão do conhecimento.

A depender da densidade do material a ser trabalhado, não há como escapar da boa e velha aula dissertativa. Mas, mesmo que você tenha que recorrer a isso, saiba fazê-lo de uma maneira que não entedie nem distraia os seus ouvintes.

Uma tática para utilizar bem o tempo e produzir discussões com maior qualidade é disponibilizar o material a ser utilizado anteriormente para os participantes e orientá-los a lê-lo antes e levar questões para o dia do treinamento.

Por outro lado, a metodologia também trata da forma pela qual o líder será ensinado a manejar a empresa. Existem muitas abordagens disponíveis e compreensões distintas a respeito de qual é o papel do gestor no ambiente corporativo.

Recomenda-se aqui que você opte por um método que tenha uma compreensão global do papel do líder no campo organizacional. Aposte nas visões que constroem essa figura como um mediador, muito mais do que como de um chefe.

Já faz algum tempo que a figura do líder como alguém que apenas manda e desmanda foi desconstruída, abrindo espaço para visões mais eficientes e humanas da função do gestor no trabalho.

Não se trata apenas de humanizar o trabalho empresarial. É uma questão também de eficiência. Aqueles que estão mais satisfeitos com o seu lugar profissional e que têm em seu líder um lugar de confiança tendem a trabalhar melhor e serem muito mais produtivos.

Nesse sentido, é fundamental que você consiga produzir no treinamento um líder carismático e que seja um vetor de confiança na empresa.

Assegure-se de que a sua metodologia seja pautada em fazer do gestor alguém que realmente vista a camisa da sua empresa e que leve consigo os outros funcionários em sua empreitada.

Ainda hoje, muitos profissionais do mercado constroem a sua participação nas empresas em que trabalham visando apenas ao crescimento na carreira e à ascensão individual. Muitos, apesar de serem profissionais bastante competentes, acabam por não se dedicar tanto ao ideal coletivo por não acreditarem nessas possibilidades.

A figura do líder é muito útil no sentido de mudar essa situação. Use o espaço do treinamento para construir com ele esses valores e, com isso, transmiti-los para o restante dos funcionários da empresa.

Ferramentas

As ferramentas dizem respeito aos recursos que serão acionados para compor o currículo do treinamento.

Em geral, com dedicação e paciência, é possível encontrar muitos materiais de qualidade na internet e também fora dela, como o uso e a recomendação de livros para líderes.

Use a criatividade para escolher o que se tornará o percurso mais dinâmico. Além disso, você pode utilizar determinados recursos para introduzir e facilitar a compreensão dos temas escolhidos.  

Além das tradicionais aulas dissertativas e de materiais como vídeos e conteúdos sonoros, existem variados artifícios disponíveis para tornar o treinamento mais marcante e interessante.

Um tipo de ferramenta muito eficaz, se bem utilizado, são as dinâmicas de grupo. Elas propiciam que o seu público se coloque em situações e vivencie papéis diferentes, produzindo insights importantes sobre o papel do gestor no ambiente de trabalho.

Dependendo do número de pessoas no treinamento, você pode usar recursos como a divisão da turma em dois ou mais grupos com pontos de vista conflitantes e pedir que elas defendam tais pontos para todos. Esse tipo de tática é útil para estimular a capacidade argumentativa dos participantes da capacitação e pode ser feita de variadas formas.

Outra técnica à qual você pode recorrer é a de selecionar o perfil de alguns empreendedores de sucesso para explorar na capacitação as experiências e os ensinamentos presentes em suas histórias pessoais.

A partir desses casos de sucesso, múltiplas conexões podem ser feitas com a experiência prática do dia a dia, gerando lições sobre questões importantes, tais como: formas de sair de situações de dificuldade, como ser mais produtivo, como estimular os outros funcionários etc.

4. Como fazer treinamento de liderança?

Caso resolva fazer isso externamente, certifique-se de que você está contratando uma instituição séria e de excelência para executar o serviço.

Alguns aspectos devem estar presentes no currículo do curso em questão, entre eles os seguintes:

Use material novo e atualizado

Por causa da explosão de materiais sobre empreendedorismo, existem muitas ideias genéricas e já ultrapassadas que ainda circulam. Evite cair no lugar-comum, repetindo conceitos já conhecidos pela maioria das pessoas. Inove buscando referências frescas e pertinentes às necessidades da sua companhia.

Um treinamento de eficiência deve contar sempre com material atualizado e minimamente embasado em pesquisas e método científico.

Faça pontes com o contexto de trabalho

Para além do conteúdo teórico, lembre-se de criar a capacitação em torno do contexto em questão e das demandas da empresa.

Procure apresentar para o seu público problemas pertinentes ao que será ou está sendo enfrentado pela companhia. Algumas empresas constroem capacitações bem esmeradas, com conteúdo complexo e atualizado, mas esquecem de levar em conta o contexto real de trabalho, distanciando o que será ensinado da prática cotidiana.

Sobre esse ponto, lembre-se de usar materiais que dialoguem com o âmbito específico do seu trabalho.

Não adianta usar apenas recursos norte-americanos, por exemplo, se a sua empresa está localizada no contexto brasileiro. Certamente existem especifidades locais que não serão contempladas pela visão fornecida pelo material que foi feito a partir de uma realidade tão diferente da nossa.

Estimule a participação durante os encontros

Nada mais entediante do que palestras extensas e aulas unidirecionais, nas quais só há espaço para o professor se manifestar. Sempre que possível, construa momentos participativos na grade do treinamento, possibilitando ao líder se expressar e construir o conhecimento coletivamente.

É claro que há momentos em que não há como escapar desse formato. Ainda assim, procure sempre mesclá-lo com momentos de descontração e recursos dinâmicos.

Isso significa que a construção do treinamento não precisa ser tão fechada. Antes de construí-la procure conversar com as pessoas que serão capacitadas. Você poderá encontrar pontos que não havia imaginado ou demandas específicas que essas pessoas desejam trabalhar durante o treinamento.

Da mesma maneira, converse sempre que possível com os participantes durante o treinamento e saiba rever o seu programa toda vez que for necessário. Dependendo das questões levantadas durante o percurso, você pode até mesmo remanejar ou criar novos conteúdos a serem trabalhados a partir do direcionamento que as aulas forem tomando.

Trabalhe o fortalecimento emocional dos líderes

Como mencionado anteriormente, para além do aspecto puramente gerencial, um líder também deve ser construído por meio do seu desenvolvimento como pessoa.

Use esse tempo disponível para que o seu líder aprenda a lidar com o medo, conheça seus limites e consiga manejar situações de grande desgaste emocional.

Você pode recorrer a uma instituição externa

A depender do seu contexto de trabalho, você pode tanto criar como executar o programa internamente ou, então, contratar uma instituição que planeje e dê o treinamento em sua empresa.

Considere a quantidade de recursos disponíveis e o tamanho do seu negócio para fazer essa opção. Lembre que as alternativas não são excludentes. Você pode misturar as duas de acordo com as suas necessidades.

Provavelmente, existem alguns aspectos importantes do treinamento de liderança que não poderão ser desenvolvidos internamente. Então, por que não contratar uma ajuda externa para a realização de workshops ou de uma capacitação por certo período de tempo?

Quando for lançar mão desse recurso, saiba pesquisar bem antes de contratar qualquer instituição. Procure informar-se sobre a reputação e a seriedade da organização com a qual  você pretende fazer parcerias.

Se for possível, converse com empresas parceiras ou mesmo com funcionários da sua companhia que já tenham feito treinamentos desse tipo como forma de conhecer melhor a instituição em questão e garantir um trabalho de confiança.

5. Como usar filmes para treinamento de liderança?

Filmes são recursos acessíveis e eficazes para estimular a compreensão de diversas temáticas.

Existem alguns formatos disponíveis que você pode usar de acordo com o contexto em questão.

Ao se aprofundar em algum assunto específico, você pode usar um longa-metragem ou uma série de vídeos a respeito da temática. Se tiver menos tempo disponível, lance mão de curtas ou vídeos rápidos de impacto.

Saiba fazer um uso estratégico desse tipo de material. Não gaste o tempo precioso da capacitação para exibir um filme que não tenha ligação com os assuntos do treinamento.

Da mesma forma, não exiba um filme que não poderá ser discutido posteriormente com as pessoas da capacitação.

Saiba amarrar bem a função de cada material no programa e conecte as mídias com outras estratégias para estimular os participantes a mergulharem na discussão.

Uma tática interessante é dar direcionamentos logo antes da exibição do filme para incentivar os líderes a irem construindo certo tipo de olhar sobre o que será discutido posteriormente.

Nesse sentido, você pode pedir anteriormente que cada pessoa preste atenção a determinado aspecto da narrativa e depois compartilhe com o grupo as suas impressões, por exemplo.

O treinamento de liderança é uma ferramenta indispensável no fortalecimento de qualquer empreendimento de sucesso. De acordo com as circunstâncias do seu contexto, você mesmo pode criar e executá-lo ou mesmo contratar uma instituição séria para prestar esse serviço.

De uma forma ou de outra, lembre-se sempre de programar bem a sua execução a fim de otimizar os resultados.

Gostou do nosso guia sobre o treinamento de liderança? Entre em contato com o Instituto i9c e conheça as diversas formas disponíveis que temos para assessorá-lo na construção de uma capacitação de qualidade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscreva-se!


×
Inscreva-se!


×